quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Fórceps

Sentiu o tórax ser aberto a fórceps
o estalar das costelas
expôs em praça pública, a dor
que altiva assoreava o espírito.

Desceu devagar as escadas do inferno
sentindo o couro arder
enquanto lentamente caía a pele
Estava nua, em carne viva

Queimara na fogueira
Bruxa solta
grito encarcerado na garganta rouca.

Sentou no último degrau exausta
Dragão a espreitar o tremor de suas mãos
Olhos distantes miravam a paisagem árida
Coração dilacerado.

Debruçou-se sobre si mesma
Agarrou [se] aos própios joelhos
Finalmente...
Chorou

4 comentários:

  1. parabéns pelas fortes palavras... já senti dor assim... o coração dói tanto q o músculo chega a rasgar e vc tem certeza q a cicatriz se faz...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o pior é descobrir que a cicatriz permanece maculando as novas relações, maculando a vida que pulsa e que deseja pulsar. pior é descobrir que a dor permanece latente e que o toque, mesmo que suave sobre a cicatriz reacende toda a dor e toda a raiva e toda a mágoa. o pior é saber que nada do que se faça apagará essa marca. agora percebo que não foi um parto a fórceps, fui marcada a ferro e nenhuma intervenção cirúrgica poderá tirar de mim essa marca.

      Excluir
  2. "Queimara na fogueira
    Bruxa solta
    grito encarcerado na garganta rouca."

    Caramba, é preciso mesmo buscar no mais secreto pra verberar o "coração dilacerado"... Forte, seco, real. Parabéns.

    cid cancer
    mogi das cruzes/sp

    ResponderExcluir

O que você acha?