terça-feira, 10 de maio de 2011

Iogurte Cila

Tia Vera e Walderez - salvas do naufrágio do navio Itagiba 1942.


Coisa curiosa acaba de me acontecer. Acessei uma memória gustativa, um sabor da infância e imediatamente voltei àqueles dias. Quando criança, nas férias de verão em Fortaleza, experimentava os sabores da casa de minha avó Madalena e ouvia, atenta, as histórias e as estórias de meu avô Tito Canto. Lá experimentei sapoti - fruta predileta da época - biscoito maizena molhado no café e jerimum com leite.

Ainda há pouquinho, abri a geladeira despretensiosa, peguei um iogurte sabor natural, abri e ao sentir o cheiro imediatamente as sensações daqueles anos voltaram. Quase senti o gosto do iogurte Cila (será que ainda existe?) quando lambi a tampa metálica que cobria o laticínio. Fechei os olhos e viajei no túnel do tempo. Mergulhei nos doces anos em que as tardes eram feitas de brincadeiras no quintal e os sabores eram sempre novidade.

Era dada a fazer artes, criança curiosa que fui. Adorava explorar todas as possibilidades do 'bureau'' do meu avô. Feito de madeira maciça muitas vezes me diverti descobrindo o conteúdo das gavetas. Assim foi que certo dia encontrei a revista 43, que trazia foto dele e de minha tia Vera. Fora torpedeado o navio que os levava a Recife (vô, o que é torpedeado?) nos idos da Segunda Grande Guerra e razão pela qual o Brasil aderiu ao embate.

Sensação boa essa de saber de onde venho, ter lembranças, afetos... Quase posso sentir o vento de fim de tarde na varanda d'avó, o balanço da rede do vô. Quase posso ouvir sua voz chamando as'' três Marias'' para as sessões de estórias, hora dileta do dia.

2 comentários:

  1. Eu tomei muito, tô doido pra encontrar também, é da época que leite de saco tinha alça.

    ResponderExcluir

O que você acha?